Artes Visuais

Além dos shows, conferências e documentários, o Back2Black Festival 2015 vai trazer uma enorme exposição de artes visuais assinada pela multiartista Daniela Thomas.

A filha do cartunista Ziraldo tem uma trajetória de sucesso. Cineasta premiada, artista plástica, diretora, cenógrafa e roteirista, Daniela Thomas foi responsável por diversos cenários no Brasil e no exterior. Ela traz na bagagem obras como “Abril Despedaçado”, “Linha de Passe”, “Terra Estrangeira” e “Paris, eu te amo”.

Para o Back2Black, ela vai utilizar a decoração típica das casas africanas como referência para sua instalação na Cidade das Artes. É muito comum no continente africano, especialmente na África do Sul, utilizar rótulos de produtos como objetos de decoração, conforme registrado pelo fotógrafo sul-africano Zwelethu Mthethwa em sua série Interiors. Assim nasce a referência para o trabalho de Daniela Thomas no Back2Black 2015.

africa_04[1]

Para essa tarefa ela contará com a parceria do designer Rico Lins e seu +Studio. Ex-professor da School of Visual Arts de Nova York e do Istituto Europeo de Design (São Paulo), é membro da AGI – Alliance Graphique Internationalle. Ganhador de diversos prêmios nacionais e internacionais, Rico Lins é um dos mais importantes designers do país e contribui com o Back2Black desde 2011.

A cenógrafa faz suspense sobre o que está preparando para os dias 20 e 21 de março na Cidade das Artes, mas já adianta que será algo grandioso e que vai impressionar o público.

Além do Back2Black 2015, Daniela Thomas é uma das profissionais responsáveis pela abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Que responsa, hein!? Você não quer ficar fora dessa, né? Então corra e garanta seu ingresso! bit.ly/1y3zdkJ

A direção de luz estará por conta light designer Samuel Betts, que participou de todas as edições do Back2Black no Rio de Janeiro, desenvolvendo o projeto de luz para os shows, ambientação e cenografia, participando de forma ativa na identidade visual do festival.

A Belight Iluminação foi responsável pelos equipamentos de iluminação do festival nestes anos todos.

Samuel Betts começou sua carreira em Porto Alegre, no ano de 1975, como iluminador de grupos de teatro, dança e música da cidade. Paralelamente a esta atividade cursou a Escola de Artes Dramáticas da UFRGS, especializando-se em direção teatral. Ainda em Porto Alegre, Samuel teve a oportunidade de trabalhar como ator e fotógrafo de espetáculos. Em 1981 mudou-se para o Rio de Janeiro. Desde então, vem atuando na cidade como empresário e light designer. Criou a Belight, empresa de iluminação voltada para o segmento de artes e entretenimento, desenvolvendo projetos luminotécnicos para museus, teatros e casas de shows, bem como para exposições de arte, shows, teatro, festivais e eventos corporativos. Também atua como locadora e instaladora de equipamentos de iluminação e multimídia.